terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

DOENÇA CELÍACA: Depressão e Ansiedade

Por Christina Gentile
http://www.celiaccentral.org/mental-health/depression/
(para ler os artigos da Série "Doença Celíaca e Saúde Mental" clique em Parte 1Parte 3Parte 4)

Parte 2: DOENÇA CELÍACA: Depressão e Ansiedade 



Dois dos problemas de saúde mental mais comuns são a depressão e a ansiedade. Os sintomas relacionados a esses transtornos têm sido identificadas como principais causas da baixa adesão à dieta sem glúten e pouca aceitação da doença celíaca. Uma visão geral dos transtornos depressivos e de ansiedade mostrará como estes são problemas comuns que também causam problemas secundários (ou seja, distúrbios do sono e baixa energia).


Depressão: O que é isso? Como é comum em indivíduos com doença celíaca?

Em geral, a depressão é um transtorno de humor em que os sentimentos de tristeza, raiva, baixa energia, alterações do sono, perda de apetite interferem com a vida diária e podem durar várias semanas ou mais. De acordo com a National Alliance on Mental Illness (NAMI), a depressão é persistente e pode interferir com os pensamentos de uma pessoa (cognições), as emoções (afeto), comportamentos, atividade, humor e saúde física. Na população em geral, a depressão ocorre duas vezes mais em mulheres do que em homens (APA, 2000, p. 354).

Os pesquisadores observaram uma associação entre a doença celíaca e depressão, que remonta a 1980. Em 1982, pesquisadores suecos relataram que "psicopatologia depressiva é uma característica da doença celíaca adulta", e que eles encontraram sintomas depressivos em pacientes recentemente diagnosticados com doença celíaca. Os pesquisadores concluíram que os sintomas depressivos foram o resultado de doença celíaca não tratada, possivelmente devido à má absorção (Hallert & Astrom, 1982). Um estudo de 1998 relatou que um terço dos indivíduos com diagnóstico de doença celíaca também sofrem de depressão (Ciacci, Iavarone, Mazzacca, e De Rosa, 1998). Adolescentes com doença celíaca também têm taxas maiores do que as taxas normais de depressão: 31% contra 7% dos adolescentes sem doença celíaca (Carta, Hardoy, Usai, Carpinello, & Angst, 2003).

Os pesquisadores ainda estão explorando a ligação entre a doença celíaca e depressão. Mais recentemente, um estudo com 177 mulheres com a doença celíaca, descobriu que 37% cumpriram o limite para a depressão e 22% preencheram o limite para transtornos alimentares (Arigó, Anskis, & Smyth, 2011).

O que são transtornos depressivos? Existem diferentes tipos de depressão?

Depressão Clínica ("major depression") ou depressão unipolar, é um tipo de transtorno depressivo. Um episódio de depressão clínica é caracterizado por sintomas que duram a maior parte do dia, durante pelo menos 2 semanas. Os sintomas incluem um humor deprimido ou baixo e uma diminuição do interesse ou prazer nas atividades. Além disso, pelo menos quatro dos seguintes sintomas devem estar presentes em algum momento, durante o período de 2 semanas: 
  • sentimentos de inutilidade, 
  • culpa excessiva, 
  • falta de esperança, 
  • o ganho de peso / perda de peso, 
  • distúrbios de apetite (aumento ou diminuição), 
  • distúrbios do sono, 
  • fadiga / perda de energia, 
  • dificuldade para pensar / 
  • repetidamente pensamentos de morte ou suicídio (APA, 2000, p. 349-350).
Distimia é uma depressão crônica, na qual o humor de uma pessoa é regularmente baixo, mas o clima não é tão grave. Os principais sintomas são a punção por um mau humor ou tristeza na maioria dos dias, por pelo menos 2 anos. É acompanhado por dois dos seguintes sintomas: 
  • perturbação do apetite, 
  • diminuição ou aumento do sono, 
  • desesperança, 
  • baixa energia, 
  • baixa auto-estima, 
  • falta de concentração e fadiga. 
Crianças e adolescentes podem relatar sensação de irritabilidade, o que pode durar pelo menos um ano (APA, 2000, p. 380).

Pessoas tanto depressão clínica ou distimia podem ter uma visão negativa de si próprios, do seu futuro, eventos de vida e interação com amigos e familiares. Qualquer tipo de problema pode parecer mais difícil de resolver.

Depressão em indivíduos com doença celíaca

População celíaca não diagnosticada:

Muitos indivíduos com doença celíaca relatam sentimentos de depressão antes do diagnóstico. Muitas vezes, esses sentimentos estão relacionados aos sintomas não tratados como problemas gastrointestinais, dores de cabeça, fadiga, interferindo na vida social e bem-estar físico.

Deficiências nutricionais resultantes da má absorção também podem desempenhar um papel importante na depressão. Por exemplo, a deficiência de vitamina B, tem sido associada a depressão, especialmente B12 e ácido fólico (Leyse-Wallace, 2008).


 População celíaca diagnosticada:

Viver com uma condição crônica como a doença celíaca pode levar a sentimentos de dor, tristeza, medo, raiva e irritabilidade. A dieta sem glúten pode ser frustrante e levar ao isolamento, especialmente quando a maioria das situações sociais envolvem Comida. Preocupações sobre a contaminação cruzada por glúten podem intensificar o medo, enquanto a perda dos alimentos favoritos podem causar  tristeza ou raiva.

Se estes sentimentos continuam e começam a interferir com a vida diária, podem resultar numa desordem depressiva, e podem causar perturbações adicionais para o bem-estar do indivíduo. 

Reações comportamentais podem incluir:
  • Diminuição da adesão à dieta sem glúten e à suplementação nutricional
  • Desistência das atividades sociais
  • Desordens do sono (dormir muito ou muito pouco)
  • Diminuição do contato  com a família e amigos
  • Dificuldade nos ambientes escolares ou de trabalho
  • Maus hábitos alimentares
  • Maior propensão a beber e fumar
  • A falta de atividade física ou exercício
Clique aqui: Parte 3 - Doença Celíaca e Ansiedade

Tradução: Google / Adaptação: Raquel Benati


Referências:
- American Psychiatric Association (2000). Diagnostic and statistical manual for mental disorders, Fourth Edition, Text Revision.  Washington, DC: American Psychiatric Press.
- Arigo D, Anskis AM, Smyth JM. (2011). Psychiatric comorbidities in women with Celiac Disease. Chronic Illn., 7(3).
- Carta, M.G.,  Hardoy, M.C., Usai, P., Carpinello, B., & Angst, J. (2003). Recurrent brief depression in celiac disease.  J Psychosom Res., 55(6), 573-574.
- Ciacci C, Iavarone A, Mazzacca G, De Rosa A. (1998). Depressive symptoms in adult celiac disease. Scand J Gastroenterol33(3), 247-250.
- Grohol, J. M. (2011). Psychotherapy.  Retrieved from http://psychcentral.com/psychotherapy/
- Hadjivassiliou, M., et al. (2002) Gluten sensitivity as a neurological illness. Journal of       
Neurology, Neurosurgery & Psychiatry, 72, 560-563.
- Häuser, W., Janke K. H., Klump, B., Gregor, M., Hinz, A. (2010). Anxiety and depression in -adult patients with celiac disease on a gluten free diet.  World J Gastroenterol, 16(22), 2780-2787.
- Hallert, C. & Aström, J. (1982).  Psychic disturbances in adult coeliac disease. II. Psychological findings. Scand J Gastroenterol, 17(1). 21-24.
- Hersen, M. Turner, S., & Biedel, D.C. (2007). Adult psychopathology and diagnosis (5th ed.).       New York: Wiley.
- Leyse-Wallace, Ruth. (2008). Linking Nutrition to Mental Health: A Scientific Exploration. iUniverse, Inc. Lincoln NE.
- Mayo Foundation for Medical Education and Research.  The Mayo Clinic Digestive System page. Available at: http://www.mayoclinic.com/health/celiac-disease/DS00319/DSECTION=1.  Accessed September 8, 2011. 
- Mayo Foundation for Medical Education and Research. Depression and Anxiety page.  Available at: http://www.mayoclinic.com/health/depression-and-exercise/MH00043. Accessed September 8, 2011.
- Mazzone et al. (2011). Compliant gluten-free children with celiac disease: an evaluation of psychological distress BMC Pediatrics, 11:46 http://www.biomedcentral.com/1471-2431/11/46
- National Institute on Mental Health (September, 2011).  Anxiety Disorders.  Retrieved from             http://www.nimh.nih.gov/health/topics/anxiety-disorders/index.shtml
- National Institute on Mental Health (September, 2011).  Depression.  Retrieved from             http://www.nimh.nih.gov/health/publications/depression/complete-index.shtml
- Schuppan D, Dennis M, Kelly C.  (2005).  Celiac disease: epidemiology, pathogenesis, diagnosis, and nutritional management.  Nutrition in Clinical Care, 8:54-69.
- Thompson T, Dennis M, Higgins A, Lee R, Sharrett M.  (2005).  Gluten-free diet survey: are Americans with celiac disease consuming recommended amounts of fiber, iron, calcium, and grain foods?  Human Nutrition and Dietetics, 18:163-169. 
- Whiteley, P., Haracopos, D., Knivsberg, A.M., Ludvig Reichelt, K., Parlar, S., Jacobsen, J., Seim, A.,Pedersen, L., Schondel, M., Shattock, P. (2010). The ScanBrit randomized,  controlled, single-blind study of a gluten- and casein-free dietary intervention for children  with autism spectrum disorders. Nutritional Neuroscience, 13(2), 87-100.

Nenhum comentário:

Postar um comentário