quinta-feira, 10 de abril de 2014

O que você deve saber sobre Ataxia induzida por Glúten


Por Jane Anderson -  07 de abril de 2014

Tradução: Google / Adaptação: Raquel Benati




Se você pensou que o glúten só pode danificar o intestino delgado, pense novamente. Em algumas pessoas,  essa proteína  ataca o cérebro em vez (ou além) das vilosidades intestinais.

O seu objetivo específico é o cerebelo, a parte do cérebro que controla a coordenação, equilíbrio e movimentos. Danos nesta área devido ao glúten podem levar a problemas de equilíbrio progressivo e, eventualmente, poderia forçar a pessoa a usar um andador ou cadeira de rodas para se locomover.

Parece realmente assustador, não é? Ataxia induzida por glúten realmente é uma condição muito assustadora.

Ataxia por glúten, uma condição neurológica autoimune que envolve a reação do seu corpo ao glúten (proteína encontrada no trigo, cevada e centeio), pode danificar irreversivelmente a parte do seu cérebro chamada cerebelo, de acordo com os profissionais que primeiro identificaram essa condição a cerca de uma década atrás.

Este dano potencialmente pode causar problemas com a sua marcha e com suas habilidades motoras, resultando em perda de coordenação e possivelmente levando a uma incapacidade significativa e progressiva em alguns casos. No entanto, porque a ataxia por glúten é tão relativamente nova, e nem todos os médicos concordam que ela exista, não há até o momento nenhuma maneira aceitável de testes para diagnosticá-la.

Mas isso pode estar mudando: no início de 2012, um grupo de pesquisadores de ponta no campo da doença celíaca e sensibilidade ao glúten emitiu uma declaração de consenso sobre a forma como os profissionais podem diagnosticar todas as condições relacionadas com o glúten, incluindo ataxia por glúten.

Em Ataxia por glúten, os anticorpos atacam o Cerebelo

Quando você tiver ataxia por glúten, os anticorpos que seu corpo produz em resposta à ingestão de glúten, atacam seu cerebelo por engano, a parte do cérebro responsável pelo equilíbrio, controle motor e tônus ​​muscular. A condição é autoimune na natureza, o que significa que se trata de um ataque equivocado por seus próprios glóbulos brancos que combatem doenças, estimulado pela ingestão de glúten, em oposição a um ataque direto sobre o cérebro pela própria proteína do glúten.

Se nada for feito, este ataque autoimune geralmente progride lentamente, mas os problemas que resultam em perda de equilíbrio e controle motor, eventualmente, são irreversíveis devido aos danos cerebrais.

Até 60% dos pacientes com ataxia por glúten tem evidências de atrofia cerebelar - literalmente, o encolhimento de parte de seus cérebros - quando examinados com tecnologia de imagem por ressonância magnética (MRI). Em algumas pessoas, uma ressonância magnética revela, ainda, manchas brancas brilhantes no cérebro que indicam danos.

Quantas pessoas sofrem de Ataxia por glúten ?

Ataxia por glúten é uma condição recém-definida e nem todos os médicos a aceitam e por isso até o momento, não está claro quantas pessoas podem sofrer com isso.

Dr. Marios Hadjivassiliou, neurologista consultor em "Sheffield Teaching Hospitals" no Reino Unido, foi quem primeiro descreveu ataxia por glúten. Ele diz que 41% de todas as pessoas com ataxia sem causa conhecida podem de fato ter  ataxia por glúten. Outras estimativas colocaram esses números mais baixos - em algum lugar na faixa de 11,5% para 36%.

A ataxia é uma condição bastante rara - afetando apenas 8,4 pessoas em cada 100.000 nos EUA - o que significa menos ainda de ataxia realmente ligada ao glúten. No entanto, as estimativas de quantas pessoas com doença celíaca e sensibilidade ao glúten não-celíaca que apresentam sintomas neurológicos são muito maiores.

Ataxia por glúten: problemas neurológicos induzidos pelo glúten

Sintomas de ataxia por glúten são indistinguíveis dos sintomas de outras formas de ataxia. Se você tem ataxia por glúten, os seus sintomas podem começar com problemas de equilíbrio leves - que você pode ser instável em seus pés, ou ter dificuldade para mover suas pernas.

Como os sintomas progridem, algumas pessoas dizem que caminham ou até mesmo falam como se estivessem bêbados. Como o dano autoimune a seu cerebelo progride, seus olhos provavelmente também vão envolver-se, potencialmente, indo e voltando rapidamente e involuntariamente.

Além disso, suas habilidades motoras finas podem sofrer, tornando mais difícil para você trabalhar instrumentos de escrita, para fechar zíperes, ou para manipular botões na sua roupa.


O diagnóstico de Ataxia por Glúten não é simples  

Uma vez que nem todos os médicos aceitam a  ataxia por glúten como um diagnóstico válido, nem todos os médicos vão testar essa condição quando se depararem com esses sintomas em seus pacientes. Além disso, especialistas na área de doenças induzidas por glúten só recentemente desenvolveram um consenso sobre como fazer o teste para  ataxia por glúten.

O teste envolve o uso de exames de sangue específicos para doença celíaca, embora esses testes também não sejam considerados 100% precisos para testar a doença celíaca. Se algum desses testes mostra um resultado positivo, então o médico deve prescrever uma rigorosa dieta livre de glúten.

Se os sintomas de ataxia estabilizarem ou melhorarem com a dieta, então é considerado um forte indício de que a ataxia foi induzida pelo glúten, de acordo com a declaração de consenso.


 Tratamento da Ataxia por Glúten envolve uma rigorosa dieta sem glúten

Se você é diagnosticado com ataxia por glúten, você precisa seguir uma dieta livre de glúten muito rigorosa, sem  nenhuma deslize, de acordo com Dr. Hadjivassiliou.

Há uma razão para isso: os sintomas neurológicos estimulados pela ingestão de glúten parecem levar mais tempo para melhorar do que os sintomas gastrointestinais, e parecem ser mais sensíveis a pequenas quantidades de traços de glúten em sua dieta, diz o Dr. Hadjivassiliou. Portanto, é possível que você possa estar fazendo mais dano a si mesmo se você continuar a ingerir pequenas quantidades de glúten.

Claro, nem todos os médicos concordam com essa avaliação, ou mesmo necessariamente com o conselho para fazer dieta sem glúten, se você tem ataxia de modo inexplicável e altos níveis de anticorpos ao glúten. No entanto, essa não aceitação pelos médicos não parece estar apoiada nos relatos de pessoas com diagnóstico de ataxia por glúten e de pessoas com problemas neurológicos graves associados à doença celíaca: as pessoas dizem que os sintomas neurológicos levam muito mais tempo para serem resolvidos, mas estabilizam ou melhoram.

O número de potenciais sofredores de ataxia por glúten é muito pequeno quando comparado com o número de pessoas com doença celíaca, e também é pequeno quando comparado com estimativas de quantas pessoas têm sensibilidade ao glúten não-celíaca.

No entanto, muitas pessoas com doença celíaca e sensibilidade ao glúten não-celíaca também sofrem de sintomas neurológicos, que muitas vezes incluem neuropatia periférica relacionada com glúten e enxaqueca. Alguns também se queixam de problemas de equilíbrio que não parecem se resolver quando fazem dieta livre de glúten .

É possível que, à medida que mais estudos sejam realizados em ataxia por glúten, os pesquisadores irão encontrar ligações mais fortes entre essa condição, a doença celíaca e sensibilidade ao glúten não-celíaca.

Fontes:

Bushara K. apresentação neurológica da doença celíaca . Gastroenterologia. 2005 Abr; 128 (4 Supl 1): S92-7.

Fasano A. et al. Espectro de transtornos relacionados ao glúten: consenso sobre a nova nomenclatura e classificação . BMC Medicine. BMC Medicine 2012, 10:13 doi: 10.1186/1741-7015-10-13. Publicado em: 07 de fevereiro de 2012

Hadjivassiliou M. et al. dietético Tratamento de glúten ataxia . Jornal de Neurologia, Neurocirurgia e Psiquiatria. 2003; 74:1221-1224.

Hadjivassiliou M. et al. sensibilidade ao glúten como uma doença neurológica . Jornal de Neurologia, Neurocirurgia e Psiquiatria. 2002; 72:560-563 doi: 10.1136/jnnp.72.5.560.

Hadjivassiliou M. et al. ataxia glúten em perspectiva: epidemiologia, susceptibilidade genética e características clínicas . Cérebro. Mar 2003; 126 (Pt 3) :685-91.

Hadjivassiliou M. et al. Gluten Ataxia . O cerebelo. 2008; 7 (3) :494-8.

Rashtak S. et al. sorologia da doença celíaca em ataxia ou neuropatia sensível ao glúten: o papel dos anticorpos gliadina desamidado . Journal of Neuroimmunology. 2011 Jan; 230 (1-2) :130-4. Epub 2010 Nov 6.

Zelnik N. et al. Intervalo de perturbações neurológicas em pacientes com doença celíaca . Pediatria. 2004 Jun; 113 (6) :1672-6.





11 comentários:

  1. Eu Vilma Rosa 53 anos ,fiquei muito preocupada ao ler o documentário sobre Ataxia de Glutén
    de alguns anos pra cá eu passo muito mau com fortes problemas de coluna ,com artrose.Mas além da artrose minha coordenação motora esta muito abalada estou 98% de desequilíbrio .E sinto muita dor nas pernas .Tenho muita dificuldade para subir escada ,abaixar,enfim ta feia a coisa.Minha filha a 1 ano e meses foi diagnosticada celíaca e agora esta fazendo exames para confirmar.Ela já esta de dieta todos este tempo.será se eu também sou celíaca?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vilma - se você é mãe de criança celíaca, tem que fazer os testes para doença celíaca ( exames de sangue e endoscopia digestiva com biopsia). A DC é genética e todos os parentes de 1º grau ( pais e irmãos) precisam realizar esses exames. Caso os resultados sejam negativos, converse com seu médico sobre esses sintomas e faça mais exames ( baixa de Vitamina B12 pode provocar sintomas neurológicos). Você também pode ter a sensibilidade ao glúten não-celíaca e a recomendação é dieta sem glúten.

      Excluir
  2. Olá Raquel,
    Achei muito esclarecedor o seu artigo. Recentemente tive acesso a duas obras que abordam de forma bastante profunda o efeito do glúten sobre o cérebro, inclusive em pessoas que não têm doença celíaca: "Dieta da Mente" e "Barriga de trigo", ambos de dois médicos norte americanos. Quanto a parte de indicação da dieta nos livros tenho alguma restrição porque ambos se apoiam numa dieta low carb, estilo paleo, mas quanto ao glúten especificamente acredito que as informações trazidas são no mínimo perturbadoras e merecem mais atenção.
    Recentemente meu pai teve um mal estar, relatou tonturas e dificuldade para falar e dores na pernas e dificuldade de se locomover. Na época nada foi diagnosticado. Cogitaram de uma isquemia, mas nada conclusivo. Três meses depois ele voltou a passar mal e após uma bateria de exames o mesmo diagnóstico: isquemia, talvez, provocada pelos remédios de uso controlado que ele faz a logo prazo para bipolaridade.
    Porém, depois de ler os livros, fiquei com uma impressão de que talvez pode ter algo com o glúten, pois ele apresenta outros sintomas que também parecem ter relação com intolerância ao glúten, como confusão mental, esquecimentos, fadiga, depressão, diarreia constante há muito tempo( apenas líquido e isso há meses). Nesse último mal estar ele teve novamente o sintoma de fala embolada, dificuldade para andar ,mas absolutamente nada foi constatado na ressonância magnética e os vasos tanto do cérebro quanto do coração estavam normais. Como ele é fumante há muito tempo imaginei que poderia ser o cigarro dificultando a circulação, mas tudo indica que não foi esta a razão.
    Não falei com os médicos sobre a questão do glúten. Há ainda certo desconhecimento na área sobre essa relação e até mesmo preconceito. Mas talvez fosse importante realizar um exame para verificar a intolerância ao glúten. Vc acharia recomendado?
    Obrigada
    Susana

    ResponderExcluir
  3. Olá, Raquel. Muito obrigada por compartilhar essas informações!
    Minha família possui histórica de atrofia no cerebelo e sempre acreditamos ser uma condição incurável, nos restando apenas a resignação.
    Há poucas semanas me deparei com o livro "A dieta da mente" de david perlmutter e percebi que poderia existir essa forte relação entre o glúten e a progressão da condição genética.
    Minha mãe apresenta enxaquecas crônicas há mais de 20 anos e recentemente vem notando uma perda acentuada de seu equilíbrio. Você saberia nos recomendar um neurologista que trabalhe nessa linha aqui em SP para que possamos fazer o teste de sensibilidade ao glúten, bem como o acompanhamento de uma nova dieta?

    Mais uma vez obrigada,
    Liz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Liz, não tenho informações sobre neurologista em São Paulo que possa ajudar sua mãe. Mas recomendo uma nutricionista que poderá ajudar, seja num possível tratamento, seja indicando alguém que possa ajudar sua mãe: Dra Denise Carrero:
      http://www.denisecarreiro.com.br/ - ela escreveu um livro sobre glúten também.

      Excluir
  4. Pou gentileza, sou portador de Ataxia. Me interessa muito pelo fato de eu estar talvez me alimentando mal. Minha Ataxia é Machado Joseph, todos esse sintomas citados acima eu os tenho, eu sei que meu caso é genético. Meu pai a teve. Meus tios a tiveram e meus primos a tem. Existe algo a se fazer nesse caso? Deixar de ingerir Gluten no que ajudaria? Sou de SP. quem poderia procurar a respeito?

    ResponderExcluir
  5. É preciso buscar a ajuda de um profissional de saúde - gastroenterologista - que vai investigar se vc tem doença celíaca ou sensibilidade ao glúten não celíaca.

    ResponderExcluir
  6. Eu tirei o glúten da minha vida ele não tem beneficio nenhum

    ResponderExcluir
  7. Alguns links para ajudar:

    Link para: Conheça as várias doenças relacionadas ao glúten
    Doença Celíaca, Sensibilidade, Alergia, Síndrome do Intestino Irritável...
    04/03/2016
    http://www.schar.com/br/vida-sem-gluten/tudo-sobre-a-doenca-celiaca/doenca-celiaca-sensibilidade-alergia-sindrome-do-intestino-irritavel?p=1

    Link para: Spectrum of gluten-related disorders: consensus on new nomenclature and classification
    http://bmcmedicine.biomedcentral.com/articles/10.1186/1741-7015-10-13

    Link para: Proposed new nomenclature and classification of gluten-related disorders.
    https://static-content.springer.com/image/art%3A10.1186%2F1741-7015-10-13/MediaObjects/12916_2011_Article_493_Fig1_HTML.jpg

    Link para: Proposed algorithm for the differential diagnosis of gluten-related disorders, including celiac disease, gluten sensitivity and wheat allergy.
    https://static-content.springer.com/image/art%3A10.1186%2F1741-7015-10-13/MediaObjects/12916_2011_Article_493_Fig4_HTML.jpg

    ResponderExcluir
  8. Oi. Tenho 34 anos , ataxia confirmada pela atrofia do cerebelo e, todos os sintomas descrito aqui. Exceto, a infertilidade pois tive uma gestação perfeita sem pressao alta e nem diabete gestacional. Enfim, todos os demais sintomas eu apresento.
    Ja fiz diversos exames e, esse acho que não.
    Como faço pra realizar esse exame?
    Como saber se a ataxia pode vir dos alimentos?
    Tem como eu passar em consulta com vc? Tenho plano de saude.isso pode facilitar.
    Quanto tempo uma dieta sem gluten pode me mostrar resultados?

    Aguardo retorno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aline, você deve procurar um gastroenterologista para primeiro investigar se vc tem doença celíaca. Ele vai pedir exame de sangue (sorologia - antitransglutaminase IgA e antiendomísio IgA) e endoscopia digestiva alta com biopsia de duodeno. Alguns neurologistas ja estão se atualizando sobre a ligação entre glúten e ataxia. Vc precisa encontrar um médico que estude e conheça bem a doença celíaca.

      Excluir