sábado, 19 de maio de 2018

Doença Celíaca - passo a passo no caminho de volta à saúde



por STEVEN WRIGHT
scdlifestyle.com

Tradução: Google | Adaptação: Raquel Benati

A doença celíaca tem muitas questões que não são faladas. Uma deles é a seguinte: uma pessoa leva em média 4 anos para conseguir o diagnóstico de doença celíaca, e a pesquisa mostra que, mais de 2 anos depois, muitos pacientes ainda sofrem com os sintomas, apesar de estar seguindo uma dieta livre de glúten. Este artigo é uma tentativa de mudar isso, trazendo informações que realmente possam ajudá-lo a voltar a  ter uma vida saudável.

Este guia foi escrito para celíacos, para explicar o que está acontecendo em seu corpo, o que isso significa para o seu futuro e como controlar essa doença. O objetivo é preencher as lacunas com informações que provavelmente seu médico não lhe disse.

Eu escrevi isso porque Jordan Reasoner, meu melhor amigo, teve que lutar por 3 anos para obter um diagnóstico, e depois, tudo o que ele recebeu foi uma simples recomendação para seguir uma dieta sem glúten, que ele ficaria bem. Mas ele não ficou...

Dois anos depois de iniciar uma rigorosa dieta sem glúten ele estava ainda mais perto de morrer. Não estava funcionando e os médicos disseram: "Você está obviamente furando a dieta e não podemos mais ajudá-lo."

Infelizmente, esta é agora a norma em nosso sistema médico atual - médicos com pouca instrução e com poucos recursos, culpando e informando mal os pacientes sobre o que realmente é necessário para controlar a doença celíaca e o que os riscos dessa doença significam para sua vida.

Mas não precisa ser assim:

Jordan está curado e feliz agora, e desde então ajudamos milhares de outros celíacos que passaram pela mesma luta, a recuperar sua saúde como ele. Mas eu ainda estou preocupado, então estou escrevendo esse Guia. Meu objetivo é ajudar celíacos a evitar a dor em curso - para entender os riscos com sua saúde - e aprender a retornar a uma vida saudável normal, se quiser.

  • 1- O que é doença celíaca (DC)?

A Celíaca é uma doença autoimune que causa danos ao intestino delgado, o que leva a inflamação sistêmica, má absorção de nutrientes e muitos outros problemas de saúde significativos. Uma condição autoimune é uma condição na qual o sistema imunológico fica confuso e, em vez de lutar contra invasores, ataca o próprio corpo.

A parte do intestino delgado que fica mais danificada geralmente são as vilosidades. Estas são micro projeções semelhantes a dedos no intestino delgado e são vitais para a nossa saúde. Elas aumentam a área da superfície do intestino delgado, liberam enzimas digestivas e ajudam a coletar e absorver nutrientes.

Durante a progressão da doença celíaca, as vilosidades vão sendo atrofiadas. Isso é uma má notícia para a nossa saúde. Uma vez que a celíaca é uma doença autoimune, isso significa que há um gatilho ou razão ambiental que cria a inflamação, desregulação imune e problemas subsequentes.

Acredita-se que o fator desencadeante ambiental para a doença celíaca seja apenas o glúten, e é por isso que existe esse foco em dieta sem glúten. Mas, infelizmente, esse foco apenas no glúten está prejudicando a maioria dos Celíacos e, na minha opinião, matando alguns deles. 

  • 2-Sinais, Sintomas e Prevalência da Doença Celíaca

Outra questão importante sobre doença celíaca é que, enquanto o dano acontece no intestino delgado, apenas 40% das crianças e 60% dos adultos relatam qualquer sintoma digestivo. Ela pode causar problemas em todo o nosso corpo. Esta é uma das razões pelas quais a grande maioria das pessoas que sofrem de doença celíaca (83% - 97% ) permanecem sem diagnóstico.

A maioria das pessoas tem vários problemas da lista abaixo - quantos você tem?

Sinais comuns e sintomas da doença celíaca:

  • Diarreia
  • Gases
  • Inchaço e Cólicas
  • Prisão de ventre
  • Dor de estômago
  • Náusea e vômito
  • Anemia
  • Fadiga
  • Dor Articular e Óssea (artrite)
  • Erupções cutâneas
  • Dores de cabeça e enxaqueca
  • Dormência nas Mãos e Pés
  • Depressão
  • Ansiedade
  • Aftas
  • Perda ou Ganho de peso inexplicável
  • Desnutrição
  • Confusão mental
  • TDAH
  • Refluxo ácido
  • Defeitos no esmalte dentário e problemas na gengiva
A doença celíaca afeta 1% da população mundial. A maioria dessas pessoas está sem diagnóstico. Os riscos de ter a doença celíaca não param apenas na lista de sintomas acima. Lembre-se, uma grande porcentagem (até 60%) não percebe que está doente, o que é assustador quando você olha como a doença celíaca o predisoõe para muitos outros problemas de saúde.

  • 3 - Os riscos da doença celíaca (DC) não tratada

Aqueles com tem DC e inflamação intestinal têm um aumento de 72% no risco de morte. Muitas vezes, há uma grande negação quando se é diagnosticado com uma doença grave como a celíaca. E isso é totalmente normal, mas eu quero encorajá-lo a não esperar muito tempo para tomar medidas sérias para voltar a ter saúde. Porque se você ignorar, negar ou deixar de verificar seu progresso, você provavelmente acabará entre uma (ou muitas) dessas estatísticas assustadoras:
  • Outros distúrbios autoimunes: Celíacos têm 8 ou mais chances de desenvolver outra doença autoimune .
  • Osteoporose em desenvolvimento: A doença celíaca é 17 vezes mais prevalente na população com osteoporose.
  • Problemas de infertilidade: A doença celíaca é 2,86 vezes mais comum em mulheres inférteis.
  • Vivenciando condições neurológicas: Pacientes com DC são 2,58 vezes mais propensos a serem acometidos por distúrbios neurológicos.
  • Risco de câncer: 
  1. Os pacientes celíacos têm um risco aumentado de 2.44 vezes de desenvolver todos os cânceres (e aumenta quanto mais velho você é), mas o risco de câncer Gastrointestinal é muito maior!
  2. Risco aumentado em 30% para câncer gastrointestinal.
  3. Risco 40 vezes aumentado de linfoma não-Hodgkin do intestino delgado.
  4. Risco 77 vezes aumento de de linfomas.
  • Risco de morte: O risco de mortalidade dos pacientes celíacos aumenta muito rapidamente, mesmo se você estiver “assintomático” (ou seja, você não percebe sintomas). Para aqueles com atrofia vilosaitária completa, há um aumento de 2,88 vezes no risco de morte no primeiro ano após o diagnóstico. E aqueles com inflamação intestinal, mas não com atrofia vilositária completa, tiveram um risco aumentado 4,66 vezes de morte no primeiro ano.
Em outras palavras, se você é um celíaco livre de sintomas mas seus exames mostram muitos sinais  de inflamação intestinal, você ainda está em risco significativo de complicações de saúde e morte prematura.

Olha, eu não estou tentando assustar você, eu só quero que você seja um paciente completamente informado - o tipo de paciente que pode fazer as melhores escolhas para seu corpo e vida, não aquele que deixa tudo apenas nas mãos de um médico. Mas não se preocupe, os cenários acima não precisam se tornar sua realidade. Na verdade, estou dando a você as orientações para evitar que você faça parte dessas estatísticas.


  • 4 - A diferença entre Doença Celíaca (DC) e Sensibilidade ao Glúten Não-Celíaca (SGNC)

Estima-se que entre 6% a 20% da população tenha sensibilidade ao glúten não-celíaca. Não é algom como se você tivesse acabado de acordar um dia e de repente "pegasse" doença celíaca. Em vez disso, você está progressivamente ficando mais doente e a quantidade de dano dentro do seu corpo está se formando lentamente.

Qual é a principal diferença entre você e aqueles que tem sensibilidade ao glúten. A Universidade de Maryland relata atualmente que cerca de 18 milhões de americanos (6% da população dos EUA) têm essa condição. No entanto, esta é a estimativa mais baixa das pessoas afetadas. Dr. Alessio Fasano, Diretor do "Center of Celiac Research", disse repetidamente
"Todos os seres humanos não têm  enzimas necessárias para digerir o glúten".
E agora, estão surgindo novos estudos que propõem mecanismos para apoiar essa declaração, o que significa que o número real de pessoas com problemas relacionados ao glúten pode ser maior. Vale a pena notar que só porque é extremamente difícil de digerir não significa que todo mundo tem um problema com glúten. Aqueles com sensibilidade ao glúten não-celíaca podem experimentar os mesmos sintomas listados acima para Celíacos, como diarreia ou constipação, urticária, confusão mental, enxaqueca e inchaço.

Assim como a doença celíaca, a sensibilidade ao glúten nõ-celíaca é uma condição na qual o sistema imunológico é ativado pelo glúten, causando inflamação e permeabilidade intestinal. Mas o sistema imunológico não ataca o revestimento do intestino delgado, como ocorre na doença celíaca.

Portanto, a principal diferença entre sensibilidade ao glúten não-celíaca e a doença celíaca está na maneira como o sistema imunológico está reagindo ao glúten e à gliadina. Mas vamos ser claros, em ambos os casos há uma resposta imune ao trigo.

A resposta imune de uma pessoa com SGNC não é dirigida ao tecido humano - ela é direcionada ao gatilho ambiental.

No entanto, os principais especialistas em doença celíaca, como o Dr. Tom O'Bryan , acreditam que a doença celíaca não é como um interruptor de luz - que liga ou desliga. Eles acreditam que mesmo aqueles com SGNC têm algumas células do sistema imunológico atacando o tecido humano, mas em um nível muito baixo para nossos testes médicos atuais detectarem. E depois de meses ou anos desse ataque "silencioso", a resposta imunológica começa a crescer em gravidade até que seja finalmente detectada pelos nossos testes laboratoriais atuais.

Dito isso, se você tem sensibilidade ao glúten não-celíaca o conselho deste artigo é tão relevante para você como para uma pessoa com doença celíaca diagnosticada.

  • 5 - Da sensibilidade ao glúten até a doença celíaca completa

Muitos celíacos não são realmente diagnosticados com doença celíaca até mais tarde (20, 30, 40, 50 anos e além), e ficam confusos quando tudo acontece. Nesta altura da vida, eles podem se perguntar se tinham problemas com o glúten durante todo esse tempo.

Vamos explorar como a doença celíaca se desenvolve e qual o papel da sensibilidade ao glúten não-celáca - como já dissemos, a diferença entre as duas é principalmente em como o sistema imunológico é desregulado.

Há dois lados principais do sistema imunológico - o inato e o adaptativo. Cada um tem um grande papel em nos manter saudáveis.

Na sensibilidade ao glúten não-celíaca, acredita-se que ambos ataquem ativamente o glúten e outras moléculas que estão entrando na corrente sanguínea por causa da permeabilidade intestinal.

Na doença celíaca, o lado adaptativo fica descontrolado e começa a atacar as células do intestino delgado, pensando que também são moléculas estranhas que devem ser destruídas. Este é o componente autoimune da doença.

Tanto na sensibilidade ao glúten não-celíaca quanto na doença celíaca, o dano e o desconforto são causados ​​pelo glúten. Mas é difícil evitar algo que você não entende. Precisamos saber exatamente o que é glúten e como podemos evitá-lo.

Você provavelmente já sabe disso, mas o glúten é uma proteína encontrada em cevada, centeio e trigo.

Aqui está o que você provavelmente não sabe: plantas não querem ser comidas por você. Na verdade, elas têm um complexo mecanismo de defesa para impedir que humanos e outros animais as comam.

Um desses mecanismos de defesa são proteínas tóxicas, chamadas prolaminas, contidas em praticamente todos os cereais (sem glúten ou não). O glúten abriga uma das prolaminas mais tóxicas - a gliadina - e ela que causa o dano .

A gliadina inflama até o intestino de indivíduos saudáveis. Mas para aqueles com sensibilidade ao glúten ou  predisposição genética para a doença celíaca, o dano é muito pior. Quando uma pessoa com a genética da doença celíaca come um pãozinho, uma tigela de macarrão ou qualquer outra coisa que contenha glúten, o dano ocorre de algumas maneiras:
  • Inflamação do intestino - O intestino humano (e o intestino de muitos outros animais) tem muita dificuldade em decompor as proteínas como a gliadina do glúten. O sistema imunológico realmente ataca as partículas, o que também causa danos ao tecido saudável, aumentando a inflamação do intestino .
  • Permeabilidade Intestinal - A gliadina desencadeia um aumento nos níveis de zonulina, causando permeabilidade intestinal. Zonulina é uma proteína que funciona como um porteiro vigilante no intestino humano, controlando a abertura e fechamento de espaços existentes entre as junções ds paredes do intestino (onde os nutrientes passam do intestino para a corrente sanguínea). Quando os níveis de zonulina aumentam, as junções se abrem mais e permitem que as moléculas maiores de gliadina passem para a corrente sanguínea - criando assim o que chamamos de intestino permeável.
  • Reação Autoimune -  A gliadina atravessa a parede do intestino e começa a fazer uma ligação cruzada com uma enzima chamada Transglutaminase - ela é liberada para reparar as células do intestino (enterócitos) que são danificadas pela gliadina. Essa ligação cruzada desencadeia então a produção de anticorpos que atacam os enterócitos, causando uma destruição autoimune contínua (os exames de sangue de doença celíaca vão medir justamente esses autoanticorpos). O aumento da zonulina (e consequente alargamento dos espaços entre as junções) leva ao desenvolvimento de um intestino permeável.
Então, em resumo, as prolaminas são proteínas de defesa encontradas nas plantas. O glúten é apenas um dos vários tipos de prolaminas e contém uma parte especificamente tóxica chamada gliadina. Em geral, enquanto trigo, centeio e cevada são considerados os piores criminosos para os celíacos, uma vez que o dano tenha começado, qualquer prolamina - seja de um cereal ou pseudocereal (quinua, amranto) - pode ser problemática.

Com isso dito, vamos falar sobre como realmente confirmar que você tem a doença celíaca.

  • 6- Diagnóstico da doença celíaca

Há muita confusão em torno de testes e diagnóstico da doença celíaca e é por isso que, em média, são necessários 4 anos para que um celíaco consiga seu diagnóstico. Francamente, isso é patético e triste. Acredito que os pacientes podem acelerar esse processo sendo mais instruídos do que seus médicos sobre o assunto.

Tecnicamente, o diagnóstico da doença celíaca é determinado com base nos resultados de uma endoscopia digestiva alta com biópsia de duodeno, testes sorológicos e história clínica, o que significa que não há um teste “perfeito” para diagnosticar a doença.

O que está acontecendo é que os médicos estão procurando por uma quantidade específica de dano no seu intestino delgado e cruzando com os resultados sorológicos para confirmar que você tem os fatores de risco para a doença.

Em termos mais simples, isso significa que quando seu problema com o glúten ultrapassa um limiar de dano do intestino delgado e os fatores de risco autoimune são confirmados através de testes de laboratório, então você tem oficialmente o diagnóstico de doença celíaca.

  • 7- Exames existentes

Vamos dividir os testes em 3 categorias:

1.) Exames de apoio - Normalmente, são testes mais fáceis de executar. Eles fornecem evidências de apoio para o risco de doença celíaca ou sensibilidade ao glúten.

Um exemplo de exame de apoio é o teste genético (HLA DQ2 e/ou DQ8) para verificar os genes da doença celíaca. 

2.) Exames de autoimunidade -Estes são testes utilizados para verificar e medir o nível de desregulação do sistema imunológico em curso em seu corpo. Há uma grande desvantagem com esses testes, pois você precisa ter comido glúten nos últimos 2-3 meses para obter um resultado preciso.

Um teste de sangue chamado antitrasnglutaminase IgA, que procura anticorpos no sangue provacados pela presença de glúten, é o teste mais antigo e mais barato, mas existem desvantagens como possibilidades de resultados falso-negativos e ou um resultado positivo podendo significar que você tem algo diferente da doença celíaca!

Se o resultado for positivo ou negativo, isso não significa exatamente que você tenha ou não doença celíaca. Algumas outras patologias e uso de medicamentos podem ser responsáveis também por resultados positivos/negtivos nesse exame.

3.) Exames de danos - Estes testes são o último passo - eles são os mais caros e invasivos. No entanto, neste momento, para obter um diagnóstico celíaco “oficial” de um médico, este teste é a última peça do quebra-cabeça.

É chamado endoscopia digestiva alta com biópsia de duodeno e é onde os médicos realmente entram e removem minúsculos fragmentos de seu intestino delgado e olham para eles através de um microscópio para verificar se há danos. Esperançosamente, no futuro, novos testes serão desenvolvidos, que não serão tão invasivos ao corpo.

Em conclusão, a melhor abordagem para obter um diagnóstico adequado é primeiro verificar sua genética e presença de autoanticorpos. E se ambos forem positivos, faça uma biópsia do duodeno. Se você obtiver um resultado positivo na endoscopia, será uma grande bandeira vermelha, significando que tem essa condição já por um longo tempo e provavelmente precisará levar seu processo de cura muito a sério.

Sentir-se melhor após a retirada do glúten não é suficiente para ser diagnosticado como celíaca, mas é um sinal muito bom que você pelo menos tem sensibilidade a essa proteína. 

  • 8 - Tratamento Convencional da Doença Celíaca

Quando finalmente você obtem seu diagnóstico, seu médico provavelmente lhe dirá isso:
“ Adotar uma dieta rigorosa sem glúten é o único tratamento conhecido para aqueles com desordens relacionadas ao glúten .” 
No começo,  fazer essa mudança na rotina alimentar parece tão difícil e, às vezes, impossível, especialmente por ser preciso desistir daqueles alimentos preciosos que você foi criado. Mas a maioria dos Celíacos com quem conversei fizeram a mudança e começaram a viver um estilo de vida livre de glúten. E acabam amando esse novo estilo de vida porque se sentem muito melhor do que antes.

Mas a maioria acaba atingindo um teto de vidro no controle da celíaca. Em outras palavras, seus sintomas realmente dolorosos podem diminuir ou quase desaparecer, mas eles não conseguem a energia, pele, cabelo, regulação do peso, funcionamento do cérebro e digestão confiáveis ​​que eles realmente querem. E não é culpa deles.

Foram orientados a seguir um tratamento 9dieta sem glúten) que nem sempre garante o completo restabelecimento da saúde.

Eu sei, isso é difícil de acreditar, mas vou provar isso com estudos científicos na próxima seção.

  • 9 - Três falhas importantes no tratamento celíaco convencional

Após 2 anos de dieta isenta de glúten, as suas hipóteses de curar completamente  seu intestino são entre 8% e 34% .  Mas isso só piora ... Em pesquisas realizadas com celíacos e população normal, a permeabilidade intestinal de celíacos que fizeram a dieta sem glúten por 2 anos foi 3 vezes maior do que os controles .

Você pode pensar: “E aqueles que ficam livres de sintomas em uma dieta sem glúten? Isso não significa que está tudo bem? Não. Estes estudos analisaram os níveis de inflamação em Celíacos “sem sintomas” e encontraram quantidades significativas de inflamação, em comparação com indivíduos controle. E fica ainda pior, 18 dos 30 celíacos que fizeram dieta sem glúten por 8-12 anos, com saúde comprovada por biópsia, tinham baixo nível de vitaminas (desnutrição) .

Em outras palavras, a dieta livre de glúten pode ajudá-lo a ficar livre de sintomas, até mesmo reparar suas vilosidades (comprovadas por biópsia), mas é improvável que você consiga reverter a permeabilidade intestinal, reduzir a inflamação a quantidades normais e repor os nutrientes perdidos.

É hora de tratar o celíaco de forma integral e usar estratégias para resolver os problemas conhecidos. Sim, você precisa evitar o gatilho ambiental (glúten). Mas é claro que, se isso é tudo que você faz ... bem, lembre-se daquelas condições associadas assustadoras como cérebro, fertilidade e câncer? A dieta livre de glúten deixa você vulnerável a todos eles.

  • 10 - Como se desenvolve a doença autoimune (e porque isso lhe dá esperança)

Em 2011, o pesquisador e médico, Alessio Fasano, publicou seu trabalho inovador, “ Leaky Gut and Autoimmune Diseases ”. Fasano propôs que esse ataque autoimune poderia ser realmente interrompido! Isto é realmente uma boa notícia, porque, até este ponto, assumiu-se que uma vez iniciado o processo autoimune, ele apenas continuará atacando seu corpo pelo resto de sua vida.

Mas a mais recente pesquisa de Fasano, conduzida ao longo de vários anos, mostrou que é de fato possível parar o ataque aos próprios tecidos do corpo e, geralmente, reparar o dano que aconteceu (se não for muito tarde).

Teoria do Desenvolvimento da Autoimunidade de Fasano requer 3 fatores:

  1. Uma predisposição genética para a autoimunidade (para a doença celíaca, que são os genes HLA DQ2 / DQ8)
  2. Exposição a um gatilho ambiental (para doença celíaca - glúten)
  3. Permeabilidade intestinal aumentada 

Segundo Fasano, quando todos esses três fatores estão presentes simultaneamente, a autoimunidade se desenvolve. Isso significa que se você tem doença celíaca ou outra condição autoimune, você tinha um intestino permeável no momento em que a doença começou.

Então, essa teoria finalmente explica como você poderia ter a genética para a doença celíaca, mas permaneceu saudável durante toda a sua vida. E então BAM! Você tem uma crise de meia idade aos 46 anos que provoca permeabilidade intestinal - você está comendo glúten e "de repente" você tem uma doença autoimune completa.

Mas isso tem um lado positivo: Se ter permeabilidade intestinal é o fator final que permite que a doença autoimune se desenvolva, então a doença autoimune pode ser interrompida e a maioria das pessoas pode curar os danos, revertendo a permeabilidade intestinal e removendo o gatilho (glúten).

Esta é uma maneira totalmente nova de pensar sobre a doença autoimune - que nos dá os passos necessários para realmente curar o corpo, em vez de se tornar mais uma estatística de doença celíaca não tratada.

É também por isso que agora sabemos que a remoção do glúten (o gatilho) é o passo mais importante mas não é o suficiente para curar um intestino permeável e parar completamente a auto ataque. Há mais trabalho a ser feito antes que o processo seja totalmente suspenso e revertido.

Agora você pode ver porque a dieta livre de glúten como o "único tratamento" para a doença celíaca não é suficiente?



  • 11 - Quatro etapas para a cura por causa raiz da doença celíaca

Aqui estão os 4 passos que você precisa focar para realmente curar os danos da doença celíaca. Este plano, na verdade, leva em conta todos os quatro problemas mostrados na pesquisa que estão afligindo os celíacos.

Este é o plano para curar um intestino permeável e reverter os danos causados ​​por anos de doença celíaca não tratada.

E isso começa com a remoção do glúten da sua vida. Isso ainda é uma obrigação!
  • Etapa 1 - Tirar o glúten  da sua vida (de todos os alimentos, produtos, etc.)
É hora de jogar fora todos os alimentos embalados ou processados ​​em sua cozinha que não tenham um rótulo sem glúten. Não há razão para manter qualquer farinha ou comida com glúten, ponto final. Não deixe espaço para tentações.

Você também precisa ler os rótulos em qualquer produto que você colocar em sua pele - xampu, hidratante, loção, cremes etc.O ideal é pensar em sua pele como uma extensão gigante de sua língua e não colocar nada nela. Você não comeria coisas com glúten! Portanto, verifique se todos esses produtos também são isentos de glúten.

Em seguida, dê uma olhada na higiene da sua cozinha. Se houver pessoas que comem glúten na casa, você não pode usar suas panelas antiaderentes, tábuas de corte ou utensílios de cozinha.  Tenha os seus próprios utensílios, panelas, talheres e vasilhas. Sim, isso é uma sensação dramática. Mas a verdade é que mesmo traços de glúten podem prejudicá-lo. E se você não pode estar seguro em casa, onde você está no controle, onde você poderá estar?

Quando você comer fora de casa, não tenha vergonha de avisar a  sobre a gravidade de sua condição para amigos e familiares ou nos locais que oferecem serviços de alimentaçao. Para estar totalmente preparado, é melhor ligar com antecedência e verificar se eles podem garantir que não haja contaminação cruzada por glúten em sua refeição. Se eles não podem garantir isso, há uma boa chance de que, mais cedo ou mais tarde, eles lhe servirão algo com glúten. 
  • Etapa 2 - Adicionar alimentos nutritivos à sua dieta
É claro, segundo pesquisas, que você precisa de mais nutrientes do que a maioria das pessoas e precisa fazer tudo o que estiver ao seu alcance para reduzir a inflamação em seu organismo. Isso significa que é hora de adicionar alguns alimentos altamente nutritivos para ajudar a repor as deficiências de nutrientes em seu corpo e dar a ele o que ele precisa para se curar. 

Ao mesmo tempo, esses alimentos também serão extremamente anti-inflamatórios. É um golpe duplo para ajudá-lo a se curar!

Isso significa que você precisará comer carnes, vísceras, ovos e frutos do mar. Significa comer mais vegetais, frutas e raízes (batata-doce, batata branca, inhame, mandioca etc). Isso também significa comer mais gorduras saudáveis, como azeite extra-virgem e produtos de abacate e coco.

E ELIMINAR todos os cereais e pseudocereais (mesmo cereais "sem glúten", como milho e aveia sem contaminação). Por quê? Porque esses alimentos têm suas próprias prolaminas que causam estragos em intestinos inflamados e danificados.

A fim de dar espaço para todos esses novos alimentos não processados ​​e deliciosos, você estará comendo muito pouco alimentos sem glúten processados, o que vai realmente poupar um monte de dinheiro. Em nossa experiência, quanto mais rigoroso você for na adesão a essas regras, mais rápido você se curará e se sentirá melhor.
  • Etapa 3 - Curar a permeabilidade intestinal
Embora a retirada do glúten da dieta seja uma proposta bastante direta, curar um intestino permeável é mais complexo.

Existem infinitas dicas gratuitas on-line sobre como curar seu intestino permeável (algumas delas são boas, mas muitas são realmente muito ruins), e é por isso que pedimos a 3 pesquisadores para analisar os estudos mais atuais e nos ajudar a descobrir a melhor maneira de realmente fazer isso.

Então, pegamos esses protocolos e os colocamos em prática, e temos visto resultados surpreendentes em muitas pessoas.

Um dos primeiros passos para curar um intestino permeável  é evitar cereais e pseudocereais, sobre os quais falei na seção anterior. Comer a dieta baseada em comida in natura  é ideal para curá-lo.

Em seguida, você vai querer experimentar alguns suplementos para cura intestinal, como L-Glutamina.  Comece com 2,5g de manhã e à noite e aumente progressivamente durante duas semanas, até atingir 20g pela manhã e à noite.
  • Etapa 4 - Mudar o estilo de vida que leva à inflamação
O último passo usado para reduzir sua inflamação e curar seu intestino é  sobre mudanças no seu estilo de vida.

Muitos celíacos estão, sem saber, escolhendo um estilo de vida que cria doenças. Isto inclui fazer coisas como ir à academia todos os dias, treinar excessivamente  e correr maratonas, fazer  crossfit 5 vezes por semana, dormir menos de 7 horas por dia, usar cafeína depois do meio-dia e beber álcool em excesso todas as noites.

Cada um desses comportamentos cria mais inflamação e contribui para a aumentar a permeabilidade intestinal.

Não, não enlouqueça! Eu ainda quero que você se exercite e trabalhe, apenas menos vigorosamente até que você esteja melhor de saúde. Eu não acredito que o café seja realmente ruim, mas certamente depois do meio-dia atrapalha os ciclos de sono. E eu não acho que vinho ou álcool seja necessariamente tóxico, mas beber mais de um dia por semana é definitivamente prejudicar seu intestino .

Olha, você está mudando sua dieta, você está curando seu intestino permeável, é hora de levar isso a sério e isso inclui cortar hábitos de vida que estão prejudicando você.

  • 12 - Concluindo:

Ok, se você chegou até aqui, provavelmente tem mais informação do que muitos médicos sobre doença celíaca (o que é impressionante)!

Vamos rever os pontos importantes:
  • A doença celíaca é uma doença autoimune em que o corpo ataca o revestimento do intestino delgado.
  • A doença celíaca e todas as outras doenças autoimunes ocorrem quando 3 condições se apresentam:
  1. Predisposição genética
  2. Gatilho ambiental
  3. Permeabilidade Intestinal
  • A gliadina (uma proteína do glúten) provoca um aumento na zonulina, que controla a abertura e fechamento das junções existentes nas paredes do intestino, aumentando a permeabilidade naqueles celíacos que comem glúten (acidentalmente ou voluntariamente).
  • Se você não curar seu intestino, seu risco para a maioria das doenças e morte precoce aumenta dramaticamente.
  • A dieta sem glúten sozinha não é suficiente para curar você.
  • Existem quatro etapas para tratar a doença celíaca com base em pesquisa.
  • Evite o glúten na comida e em todos os produtos que você coloca na sua pele.
  • Coma uma dieta sem glúten mais nutritiva para reverter as deficiências nutricionais devido à má absorção causada pela doença.
  • Cure seu intestino permeável.
  • Mude seu estilo de vida para ajudá-lo a evitar  a inflamação crônica e a permeabilidade intestinal.

Agora você está armado com as informações básicas para realmente lidar e superar a doença celíaca. Espero que você compartilhe isso com outras pessoas que você conhece e que são afetadas pela celíaca.


********************************************************************************

Informações adicionais sobre Doença Celíaca no Brasil:


* Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Doença Celíaca no SUS:

https://www.riosemgluten.com.br/protocolo-clinico-sus





Nenhum comentário:

Postar um comentário