sábado, 30 de março de 2019

Quando o Glúten ataca o Cérebro



De Priscila Guilayn 

Tradução: Google / Adaptação: Raquel Benati

O glúten, proteína presente no trigo, cevada e centeio, onipresente em nossa dieta, pode estar por trás de muitos distúrbios neurológicos: da enxaqueca ao autismo, Parkinson ou depressão. Esta teoria controversa divide o mundo científico. 

"E por que ele nunca me contou?"


María P., de Sevilha, afetada por um agressivo transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), ficou intrigada com o neurologista alguns meses atrás. Ela visitava especialistas, psiquiatras e psicólogos há 15 anos, e nunca lhe ocorreram verificar se era celíaca. Ninguém pensou que algo aparentemente tão simples quanto eliminar o glúten da dieta poderia mudar sua vida.

Naquele dia, ela contou ao seu neurologista que, por recomendação de um amigo com um problema semelhante, ela havia visitado um gastroenterologista. Depois de fazer os testes, o gastro disse que ela era celíaca e que isso poderia estar relacionado à sua desordem. Então, da noite para o dia, ela erradicou de sua dieta todos os alimentos com glúten - 80% dos processados ​​na União Européia - e o TOC foi consideravelmente atenuado. "Eu nunca me senti tão bem", concluiu Maria. "O neurologista não deu muita importância, mas ele me disse que a dieta poderia me ajudar", lembra ela. Isto é, ele sabia que o glúten poderia influenciar minha doença, mas eu nunca teria considerado isso ”.

A verdade é que poucos neurologistas na Espanha teriam contado a Maria sobre a neurotoxicidade do glúten em pessoas com doença celíaca ou sensibilidade ao glúten, uma pequena variante da doença celíaca. Mais do que tudo, por causa da casuística muito reduzida. Desde 1966, quando foi descrito pela primeira vez  um conjunto de desordens neurológicas relacionados ao consumo de glúten - reunidas sob o nome 'neurogluten'-, muitas dessas doenças só foram fundamentadas em casos isolados ou pequenas séries de pacientes, e é por isso que muitos especialistas geralmente não levam isso em consideração. «Existem patologias neurológicas em que o glúten desempenha um papel. Isso é indubitável", diz Jesus Porta-Etessam, chefe de neurologia do Hospital de Clínicas de San Carlos, em Madri.

Tratamento precoce


Em qualquer caso, existem dois distúrbios neurológicos relacionados ao glúten que ninguém discute. A ataxia de glúten, em que o cerebelo é afetado, causando alterações do movimento nos dedos, mãos, braços, pernas, lábios, língua e até nos olhos. E neuropatia periférica, que afeta os nervos, ou prolongamentos dos neurônios, da medula espinhal, causando problemas musculares e sensoriais. "Essas duas doenças melhoram com a dieta livre de glúten, se for rigorosa e contínua, na maioria dos casos", diz o neurologista Carlos Hernández Lahoz, pesquisador de neuroglutismo há quase duas décadas. No entanto, é importante aplicar o tratamento precocemente, antes que ocorra a morte neuronal ".

Luis Rodrigo Sáez não é neurologista, mas, como Carlos Lahoz, mergulha no neurogluten há quase 20 anos e defende o benefício da dieta em algumas outras doenças. Sáez é um gastroenterologista e, em sua prática, observou melhorias em diferentes complicações neurológicas simplesmente removendo o glúten da dieta do paciente. "Eu estou falando de cerca de 300 casos, alguns seguidos por anos, afirma o ex-chefe do Departamento de Hospital Universitário Central de Astúrias, Gastroenterologista que sem dúvida aconselha: diante de qualquer distúrbio neurológico, excepto em casos muito avançados, talvez, deva ser recomendado o estabelecimento e monitoramento de uma dieta sem glúten, pois é um tratamento inócuo que pode melhorar o curso clínico e a evolução de muitas dessas patologias ”.


A maioria dos neurologistas, por sua vez, não recomenda isso sem uma associação direta e cientificamente comprovada entre o glúten e o problema em questão. "Não devemos gerar expectativas inadequadas em pacientes", diz Pablo Irimia, membro da Sociedade Espanhola de Neurologia. "Eu também vi casos de câncer serem curados espontaneamente. Existem - acrescenta Antonio Yusta, chefe de Neurologia do Hospital Universitário de Guadalajara. Mas na medicina não discutimos casos isolados, agimos por demonstrações científicas».

Voltar X Avançar


Maria P., no entanto, gostaria de ter sabido há anos sobre essa conexão entre o glúten e alguns distúrbios neurológicos, embora não tenha sido comprovada cientificamente. "Quantos desgostos eu poderia ter evitado", diz a atendente do refeitório de 34 anos, que se lembra dos momentos em que sua vida era um retiro contínuo. Eu andava pela rua e quando via uma linha ou o que quer que fosse eu tinha que voltar. E se eu não encontrasse outro caminho, andaria em círculos. Eu tive dificuldade em me mudar de um quarto para outro. Para tudo, ela precisava de rituais. Um horror!» Agora, desde junho passado, com a dieta livre de glúten, Maria parou de voltar. «Agora eu avanço! Recebi mais responsabilidades no trabalho e me inscrevi em vários cursos; Eu quero aprender. Eu sei que posso fazer isso. Eu até fiz uma viagem! "Ela diz animadamente.

A transformação na vida do psicólogo Javier Alonso Cimadevilla, 57 anos, também foi impressionante. Ele tinha narcolepsia grave. "Eu poderia passar meses com ataques quase que diariamente", revela ele. "Eu desmaiei, tive convulsões. Foi angustiante. As crises foram agudas e pensei em me aposentar». Até que seu neurologista falou da possibilidade de seguir uma dieta. "Ele sugeriu que eu fizesse a análise celíaca, mesmo que não houvesse provas concretas e ele não acreditasse na relação entre o glúten e os distúrbios neurológicos", lembra ele. Na clínica diária, no entanto, ele me disse que já havia visto pacientes com epilepsia e esclerose múltipla que haviam melhorado com a dieta". E assim aconteceu a Alonso, que desde 2004, baniu o glúten de sua vida. "Eu nunca tive convulsões ou cataplexia novamente."

Melhoria frequente


O neurologista Porta-Etessam, da Clínica San Carlos, em Madri, considera existir a relação que o glúten pode ter com a epilepsia ou com outras manifestações neurológicas. "Tende a ser frequente, com a dieta, melhora nos casos de mialgia e fadiga, e também tem sido descrita em ansiedade e depressão", admite.

Em casos de enxaqueca, Yusta Izquierdo concorda que a dieta sem glúten pode melhorar a frequência e a intensidade das dores de cabeça da enxaqueca. "Com a dieta, as drogas para enxaqueca se tornam mais eficazes", diz o chefe de Neurologia do Hospital Universitário de Guadalajara, que também oferece benefícios para as encefalopatias.

Rodrigo Saez, entretanto, acrescenta outras patologias como a neurite óptica, algumas formas de esquizofrenia, certos transtornos do espectro autista, TOC, síndrome de Tourette, algumas formas de Parkinson ou narcolepsia. "Há entre 10 e 20% dos pacientes que poderiam se beneficiar da dieta livre de glúten", diz o gastroenterologista.

Enquanto espera por evidência científica irrefutável, a verdade é que o número de complicações neurológicas que respondem positivamente à dieta livre de glúten tem crescido com o passar do tempo. No entanto, nesse meio século de estudos sobre neurogluten ainda não se sabe ao certo como os peptídeos da gliadina atingem o cérebro e afetam o sistema nervoso central (parte prejudicial do glúten para os celíacos). Sabe-se que eles penetram no corpo por um aumento na permeabilidade da barreira intestinal, mas como eles passam da corrente sanguínea para o cérebro?

"O cérebro é protegido contra elementos que circulam no sangue através da barreira hematoencefálica", explica Hernández Lahoz. Mas no caso de pessoas sensíveis ao glúten, por mecanismos que não são bem conhecidos, essa barreira não desempenha um papel efetivo". Ou seja, os anticorpos gerados chegam  ao cérebro "favorecendo o surgimento de várias doenças neurológicas", explica Rodrigo Sáez. Ele enfatiza a segurança de se fazer uma dieta sem glúten, pois o glúten é um conjunto de proteínas de baixo valor nutricional. "Nenhum valor positivo é conhecido", diz ele, "exceto pelo fato de ajudar a tornar o pão mais macio e inchado".




ANDREA FERNÁNDEZ, 15 ANOS

Diagnóstico: enxaqueca

"A lembrança que tenho de mim mesmo é a de uma garota que chorava o tempo todo. Eu pressionava minha cabeça com as mãos porque sentia como se fosse explodir. E eu chorava, chorava, chorava... Outra lembrança: estar sempre no médico. Todas as semanas. Desde os seis anos de idade ela tinha dores de cabeça muito fortes. Quantas vezes eles ligaram para minha mãe para me pegar na escola porque o barulho no refeitório desencadeou ataques de enxaqueca! E o mesmo nos aniversários. Os gritos de tantas crianças juntas me machucavamm. Então, para mim, a festa durava pouco. Acabava na cama ... e no escuro porque a luz não me ajudava quando aquelas dores de cabeça me atacavam. O barulho, em todo caso, não era o único gatilho. Também estresse. Quando os exames se aproximavam, as dores de cabeça apareciam. Bem, a verdade é que não havia uma razão especial para desencadear as enxaquecas. Era suficiente começar a ler, que é algo que eu amo. Agora é bom contar sobre tudo isso no passado. Foram oito anos de sofrimento. Desde novembro eu não comi nada com glúten e não tenho mais dores de cabeça. Me sinto feliz! Eu tive que fazer duas vezes a biópsia duodenal. A primeira deu pouca suspeita de doença celíaca, mas o resultado da segunda saiu positivo. Acho que finalmente resolvi meu problema». 


AZUCENA ÁLVAREZ ÁLVAREZ, 62 ANOS

Diagnóstico: ataxia cerebelar

"Antes eu não conseguia andar. Quem iria dizer que a farinha me machucou tanto!


"Eu tenho um restaurante e sempre fui muito ativa, mas aos 55 anos minha vida mudou. Comecei a andar mal, indo para o lado e caindo. Eu perdi a força em minhas mãos e era muito difícil para mim segurar as coisas. A caneta não me obedecia: não conseguia escrever. Quando escrevia, tinha pouco controle sobre a minha caligrafia. Falar também era muito difícil. Ninguém me entendia. Um ano depois, fui internada por quatro dias e eles descobriram a doença celíaca e fui diagnosticada com ataxia cerebelar. Desde então, além de não comer glúten, não consigo nem entrar na cozinha do meu restaurante. Com a inalação do pó da farinha fico mal. Parar de trabalhar tem sido muito difícil, mas eu melhorei. Falo melhor, ando melhor e sem ajuda, embora ainda precise. Eu não arrasto mais meus pés, eu os levanto. Eu não tenho tontura ou vômito e parei de tossir.

MIGUEL MÁS CASTALÁ, 69 ANOS

Diagnóstico: síncopes de origem não cardíaca

"Eu estou sem glúten há seis anos. Seis anos sem desmaios ou dor no peito "


"Imagine a situação: dos 40 aos 62 anos de idade, desmaiando com frequência. Tudo começava com uma queimação no meu estômago, eu ficava suado e não tinha ar. Então vinha uma forte dor no meu peito e eu caia no chão. Isso várias vezes por mês, por 22 anos. Você pode imaginar isso? Todos que trabalhavam na ambulância me conheciam e também no hospital. Nenhum especialista poderia me dizer o que causava as síncopes. Cardiologistas descartaram um problema cardíaco. Os neurologistas me fizeram exames, scans, tudo e nada. Fui aos gastroenterologistas: eles me checaram e não chegaram a nenhuma conclusão. Aos 63 anos, eu disse ao cardiologista que não podia mais viver assim. Fui encaminhado ao Dr. Luis Rodrigo Sáez, que fez uma biópsia duodenal e finalmente me deu um diagnóstico: celíaco!

ALONSO CHIMENO CIENFUEGOS, 4 ANOS 

Diagnóstico: encefalopatia epiléptica com retardo psicomotor severo

"Eu não preciso de um pedaço de papel que me diga que o glúten é ruim. Eu vejo"

«O meu filho era como uma boneca de pano. Ele não sorria, não reagia, não fixava os olhos, não prestava atenção, não tinha nenhum movimento voluntário; Com um ano chorava muito e percebemos que toda vez que ele tomava mingau de cereal tinha convulsões muito fortes. Embora os testes celíacos fossem negativos e os médicos nos dissessem que ele tinha que comer cereais, removíamos o glúten e ele parava de chorar e sentir dor, começando a fixar sua atenção, movimentando as pernas e nos ouvindo. Vimos os avanços, mas como não queríamos ter deficiências nutricionais, voltamos, por recomendação médica, à dieta normal. E assim fomos, indo e voltando com a dieta sem glúten até que a adotamos permanentemente. Nos últimos seis meses ele é mais curioso, mais atencioso, mais alegre. Solta a risada! Ele começou a repetir sons, a interagir; e fazê-lo até mesmo maliciosamente. A evolução é tremenda. Eu não preciso de um papel que me diga que o glúten é ruim. Eu vejo".

Viva sem glúten


Viver sem glúten significa excluir trigo, centeio, cevada e, muitas vezes, aveia da dieta. No começo, trata-se de abrir mão de massas, pães, bolos e pizzas. Chocolates também não são permitidos, a menos que o fabricante mostre claramente que não contém glúten. Para celíacos e pessoas sensíveis ao glúten, a lista de proibições é longa, porque quando um alimento não contém este conjunto de proteínas entre seus ingredientes, ele pode ter sido adicionado como um aditivo ou compartilhado maquinário com glúten. Ou seja, devemos estar atentos a tudo, incluindo bebidas - café, chá, cerveja, licores de frutas ... - salsichas, queijos, conservas, patês e doces em geral.



Texto original

Neurogluten: desordens neurológicas e glúten



DR. LUIS RICARDO RODRIGO SÁEZ - Espanha
09/05/2017
Editado por: ALICIA ARÉVALO BERNAL

Tradução: Google / Adaptação: Raquel Benati


O neurogluten é entendido como o conjunto de desordens neurológicas relacionadas à presença de uma reação do organismo ao glúten que geralmente ocorre em pacientes celíacos (diagnosticados ou não) e também em pessoas que apresentam sensibilidade ao glúten não-celíaca, diagnosticada ou não(que é uma variante menor da doença celíaca).

Não é um conceito novo. Foi descrito pela primeira vez em 1960 (mais de 50 anos atrás), quando as primeiras descrições da relação entre uma doença neurológica como Ataxia Cerebelar e sensibilidade ao glúten foram feitas por um grupo de neurologistas que trabalhava em Sheffield (Inglaterra) liderados pelo Prof. Marios Hadjivassiliou.

As desordens neurológicas mais associadas ao glúten


Os distúrbios mais conhecidos em adultos e associados às doenças neurológicas do glúten são a Ataxia Cerebelar, toda polineuropatia, esclerose múltipla, algumas epilepsias, enxaquecas, neurites ópticas, algumas formas de esquizofrenia, alguns casos de Parkinson e de parcolepsia.

Na infância, os mais comuns são os transtornos do espectro do autismo (TEA), transtornos obsessivo-compulsivos (TOC), síndrome de Tourette (ST) e várias formas de retardo psicomotor.

A lista é muito ampla e variada e continua a se expandir contínua e progressivamente.

A mensagem a ser transmitida é que existe uma porcentagem pequena, mas importante, entre 10-20% de pacientes neurológicos, que podem se beneficiar no tratamento e no prognóstico com o estabelecimento de uma dieta isenta de glúten (DIG), que deve ser muito rigorosa e por toda a vida, evitando, tanto quanto possível, a presença de contaminação cruzada e todas as possíveis contaminações com traços de glúten.

O risco global estimado de celíacos desenvolverem distúrbios neurológicos ou psiquiátricos é entre 10-20% de todos os processos neurológicos. Em princípio, não há diferenças por idade ou sexo, por isso deve sempre ser investigada rotineiramente frente a qualquer processo neurológico, no momento de sua aparição ou o mais cedo possível, para tentar estabilizar ou recuperar primeiro.


Como é a relação entre alimentos com glúten e distúrbios neurológicos diagnosticados?


O diagnóstico é feito de forma simples e prática, tentando descobrir se essa pessoa tem doença celíaca (DC) ou sensibilidade ao glúten não-celíaca (SGNC) , pelos métodos habituais disponíveis.

Para isto o especialista em Gastroenterologia tem que levantar a história clínica do paciente tentando reunir todo o tipo de antecedentes familiares, problemas digestivos de todo o tipo e doenças associadas. Exames de sangue abrangentes, incluindo hemograma completo, função hepática e tireoidiana, metabolismo de ferro e cálcio, níveis séricos de vitamina D, etc.

É desejável determinar anticorpos circulantes relacionados ao glúten, como a antitransglutaminase 2. Os marcadores genéticos de predisposição, como HLA-DQ2 e HLA-DQ8, complementam-se com a realização de uma endoscopia digestiva com a realização de múltiplas biópsias duodenais.

A interpretação dos resultados destes testes tem que ser flexível, uma vez que os anticorpos para investigar doença celíaca são frequentemente negativos em celíacos adultos (até 80%) e isto naturalmente não exclui que o paciente seja celíaco ou tenha SGNC associada e seja aceito como tal.

Outras manifestações extradigestivas da doença celíaca


A doença celíaca, devido à sua natureza autoimune, é frequentemente associada a múltiplas manifestações extradigestivas de vários tipos. Além disso, devido ao seu caráter genético, a doença celíaca tem uma alta incidência familiar, tanto em parentes de primeiro grau quanto de segundo grau.

Dentre eles, a presença de várias manifestações cutâneas de tipos variados é muito freqüente, sendo a dermatite herpetiforme a mais frequente, caracterizada pela presença de lesões vesiculares, com diversas localizações, muito pruriginosas e com predomínio em zonas de fricção. Elas aparecem em até 25% dos pacientes celíacos.

Afecções tireoidianas associadas também são muito comuns, especialmente na forma de hipotireoidismo autoimune (doença de Hashimoto) e menos freqüentemente como hipertireoidismo. Ambos  tem melhora com a dieta sem glúten.

A anemia ferropriva de caráter crônico é a alteração hematológica mais comumente associada, sendo freqüentemente refratária ao tratamento de substituição com ferro oral, devido à deficiência da absorção intestinal presente.

Nas mulheres, distúrbios menstruais de todos os tipos, incluindo períodos prolongados de amenorréia, são muito comuns e também estão freqüentemente associados a distúrbios de fertilidade, como repetição de abortos e partos prematuros, entre outros.

Distúrbios do metabolismo do cálcio se manifestam como dor óssea generalizada, osteopenia, múltiplas fraturas, distúrbios iniciais com cárie frequente e aumento da prevalência de osteoporose precoce.

Perda de cabelo abundante é bastante frequente, em relação à deficiência crônica de ferro, que é valorizada com quedas prolongadas de ferritina no sangue pela diminuição dos depósitos corporais de ferro.

Muitas vezes há uma sensação de exaustão, fadiga fácil e recuperação física retardada, com perda leve de memória, neblina mental e distúrbios freqüentes do sono.

Pode haver olhos e boca secos em relação a uma diminuição na secreção lacrimal e salivar devido a uma síndrome de Sjögren associada .

A presença de vários distúrbios extraintestinais associados fala a favor da presença de uma doença celíaca subjacente e, se associada a uma doença neurológica de qualquer tipo, é propícia ao diagnóstico de DC.

O estabelecimento e o acompanhamento de uma dieta isenta de glúten produzem uma melhoria significativa e contínua, não apenas em termos de aliviar o desconforto digestivo presente, como dor, inchaço abdominal e alteração do hábito intestinal, mas também de todas as doenças associadas, incluindo naturalmente aqueles correspondentes a Neurogluten.


Dr. Luis Rodrigo Sáez é Especialista em Sistema Digestivo. Ele completou seu Bacharel em Medicina pela Universidade Complutense de Madri, terminando seus estudos em junho de 1967. Ele fez sua especialidade na Clínica Puerta de Hierro, em Madri, durante os anos de 1968-71. Ele completou sua Tese de Doutorado em 1975 em Oviedo, uma cidade onde ele fez sua carreira profissional e docente, ininterruptamente entre 1972 e 2014.

Foi Chefe do Serviço de Aparelho Digestivo do Hospital Universitário Central de Astúrias, em Oviedo, desde 1996. É Professor Catedrático de Medicina desde 1983. Em 2010, foi nomeado Professor de Medicina na Universidade de Oviedo.

Atualmente, ele trabalha como Especialista do Sistema Digestivo em sua Consultoria Particular em Oviedo, há mais de 40 anos.







segunda-feira, 25 de março de 2019

O que os médicos precisam saber sobre a doença celíaca



Estima-se que 1% da população mundial tenha doença celíaca, mas até seis de sete pacientes com a doença não são diagnosticados, de acordo com um estudo publicado no  American Journal of Medicine .

Alaina Tedesco

Tradução: Google / Adaptação: Raquel Benati

A "Healio Internal Medicine"  conversou com Hilary Jericho, professora assistente de pediatria e diretora de pesquisa de estudos clínicos pediátricos do Centro de Doença Celíaca da Universidade de Chicago, para desvendar as complexas causas da doença celíaca e sintomas que os pacientes podem apresentar. Ela também ofereceu aconselhamento a médicos da atenção básica sobre como diagnosticar, manejar e tratar a doença.

P:  Muitos indivíduos com doença celíaca não são diagnosticados. Quais são alguns sinais da doença que os médicos de cuidados primários devem estar cientes?

R:  A doença celíaca é uma das condições mais diversificadas de apresentação. Os sinais clássicos da doença celíaca são sintomas gastrointestinais, como diarreia e dor abdominal. Muitos pacientes com doença celíaca têm gases em excesso e inchaço do abdômen, enquanto outros têm náuseas ou vômitos quando ingerem glúten.

Baixo ganho de peso e baixa estatura também podem ser indicativos de doença celíaca. Um paciente pode ter sintomas atípicos da doença celíaca, que devem estar relacionados à má absorção de nutrientes .

Em crianças, a hipoplasia do esmalte dentário - uma condição em que o esmalte dentário não se forma corretamente porque não está absorvendo os nutrientes corretos - também pode sinalizar a doença celíaca.

Basicamente, qualquer condição como dor articular, dor de cabeça, convulsão, perda de cabelo pode ser sintomas de doença celíaca. Como se isso já não fosse complicado o suficiente, um paciente pode ser 100% assintomático e ter doença celíaca.

Os médicos podem identificar pacientes assintomáticos, examinando regularmente "pacientes de alto risco" ou aqueles que são parentes em primeiro grau de pacientes com doença celíaca.

Há um subconjunto de doenças que compartilham genes com a doença celíaca. A diabetes tipo 1 é uma doença significativa e os pacientes com essa desordem devem ser rastreados rotineiramente, mesmo que sejam assintomáticos. Há um punhado de outros, incluindo síndrome de Down e esclerose múltipla. Não há protocolos de rastreamento definidos nessas populações, mas os médicos devem estar mais vigilantes com esses pacientes.

Os médicos não devem rastrear todo mundo para a doença celíaca, mas eles devem ter um limiar muito baixo para procurá-la. Se um paciente está reclamando repetidamente sobre algo e as causas prováveis não se confirmam com exames, então os médicos devem pensar sobre isso.

Outra correlação significativa que estamos vendo com mais frequência é a infertilidade em mulheres. Os médicos devem considerar o teste para a doença celíaca em mulheres que estão tendo abortos repetidos ou dificuldade para engravidar e nenhuma outra causa é provável.

A doença celíaca pode causar tantas coisas diferentes, por isso é difícil descrever um conjunto de sintomas muito específicos que os médicos precisam procurar. Os médicos só precisam estar conscientes de que está se tornando cada vez mais prevalente e que os pacientes podem apresentar sintomas muito diferentes.

P:  Como os médicos da atenção primária podem gerenciar e tratar os sintomas da doença celíaca em seus pacientes?

R:  O teste que usamos para rastrear a doença celíaca é o anticorpo  antitransglutaminase tecidual IgA (tTG-IgA) porque é barato e é o mais sensível e específico. Cerca de 3% a 4% dos pacientes têm deficiência de imunoglobulina A (IgA), portanto, os médicos devem sempre enviar os dois testes juntos para garantir que os testes sejam confiáveis (dosagem de imunoglobulina A + anticorpo antitransglutaminase IgA),

Se os exames de triagem tTG-IgA e IgA do paciente retornarem anormais, o paciente deve consultar um gastroenterologista para os próximos passos.

O gastroenterologista pode solicitar exames de sangue adicionais mais específicos ou endoscopia digestiva alta para coleta de amostras de tecido do duodeno, o que confirmará se ele tem doença celíaca. Se a doença celíaca for confirmada, os médicos devem indicar ao paciente uma dieta rigorosa, livre de glúten, que é o único tratamento para a doença celíaca.

No entanto, os médicos devem estar cientes de que o teste tTG-IgA pode incluir falsos positivos.

A última coisa que um médico deve fazer se um paciente voltar com uma dose elevada de tTG-IgA é colocá-lo já direto na dieta sem glúten. Se a dieta ajudá-lo a se sentir melhor, o paciente não vai querer voltar a comer gluten e agora ele está comprometido com uma dieta sem glúten ao longo da vida e não houve um diagnóstico correto estabelecido.

P:  Qual é a linha de fundo para cuidar de pacientes com doença celíaca na atenção primária?

R:  É muito difícil pedir aos médicos da atenção básica que examinem, diagnostiquem e tratem a doença celíaca, porque há muitos detalhes minuciosos relacionados à ela.

Os médicos da atenção primária devem saber que a dieta é séria e as repercussões da falta de adesão também são sérias. É fundamental que os pacientes sigam a dieta sem glúten de forma rigorosa. Enquanto a dieta sem glúten pode ser nutritiva se feita corretamente - com cereais integrais, frutas, legumes, carnes e evitando muitos alimentos sem glúten processados ​​- pode ser muito insalubre se não for feita da maneira correta e não for uma dieta equilibrada nutricionalmente.

As famílias muitas vezes incluem muitos alimentos processados ​​que são ricos em gorduras e açúcar. É importante que o celíaco recém-diagnosticado converse com um nutricionista que esteja atualizado sobre doença celíaca e dieta livre de glúten e que assegure que o paciente esteja seguindo a dieta de maneira saudável, evitando deficiências nutricionais.

Comer fora pode ser difícil devido ao aumento do risco de contaminação e ingestão acidental de glúten. Portanto, os médicos devem recomendar que os pacientes limitem as refeições porque geralmente é uma grande área de contaminação. Se houver qualquer preocupação de que a dieta não esteja sendo seguida ou que um paciente precise de orientação, é importante a colaboração com um nutricionista bem treinado para revisar a dieta e tentar identificar as áreas que estão levando a uma possível contaminação.

Informações básicas: Quais são as causas subjacentes da doença celíaca?


Resposta:  Ninguém entende perfeitamente o que faz a roda girar. A doença celíaca pode ocorrer em qualquer parte da vida de uma pessoa, desde a primeira vez que ela consome glúten, que é tipicamente por volta dos 6 meses de idade até com mais de 90 anos de idade.

Existem algumas coisas que precisam existir para desenvolver a doença celíaca. Primeiro, você deve ter os genes para a doença celíaca que são DQ2 e DQ8 .

Os perfis de risco para o desenvolvimento da doença celíaca variam dependendo de quais genes um paciente possui. Ter ambas as cópias dos genes DQ2 (alfa e beta) está associado a maior risco, mas mesmo as pessoas que têm apenas metade do DQ8  ainda podem desenvolver a doença celíaca.

Em segundo lugar, você deve ser exposto ao glúten, que é encontrado em três cereais: trigo, centeio e cevada. Se você tirar o gluten da dieta de uma pessoa com doença celíaca ativa, tudo deve curar - quaisquer anormalidades, sintomas, achados de laboratório ou qualquer outra coisa relacionada à doença celíaca ativa deve normalizar.

Múltiplos estudos mostram que cerca de 30% a 40% da população tem o gene da doença celíaca, mas apenas 1% da população desenvolve a doença. A questão é, por que só ocorre em 1% das pessoas com os genes? Acredita-se que algum tipo de gatilho ambiental estimule a situação nesses pacientes que estão comendo glúten e têm essa predisposição genética.

Os pesquisadores analisaram muitos gatilhos em potencial, desde a exposição a antibióticos até infecções e quando e como o glúten é introduzido. No entanto, não há evidências claras indicando o que faz com que algumas pessoas desenvolvam a celíaca e outras não, atualmente.

Se um paciente tem os genes, está comendo glúten e um desses fatores ambientais ocorre, as bactérias normais em seu intestino serão rompidas e uma composição mais pró-inflamatória será favorecida. O intestino então se torna permeável e o glúten atravessa o revestimento, levando a uma resposta inflamatória em vez de nossa resposta tolerogênica normal (absorção e processamento de glúten para nutrientes e energia sem inflamação).

A via inflamatória faz com que nosso sistema imunológico responda negativamente ao glúten. A produção de células inflamatórias e células T leva a essa infiltração de células inflamatórias no revestimento da primeira parte do trato intestinal, no duodeno e na atrofia das vilosidades responsáveis ​​pela absorção. Isso, em última instância, leva à má absorção de nutrientes e a sintomas como cãibras, diarréia e baixo peso e baixa estatura.

A má absorção de nutrientes no duodeno também pode levar a outras repercussões, como anemia por deficiência de ferro, osteopenia e osteoporose e má absorção de cálcio e vitamina D.

Referência: 



Fonte original:

sábado, 23 de março de 2019

Depressão é mais comum em adolescentes com doença celíaca



Adolescentes celíacos são mais propensos a sofrer 
de depressão e problemas de comportamento


Por Jane Anderson

Tradução: Google / Adaptação:Raquel Benati



Adolescentes que têm doença celíaca parecem sofrer mais freqüentemente de transtornos mentais - especificamente, depressão e transtornos de comportamento disruptivo, como transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e transtorno opositivo-desafiador (TOD) do que seus pares não celíacos.


Não está claro por que isso ocorre, mas os pesquisadores especulam que a desnutrição causada pela doença celíaca pode ter um papel importante.

Independentemente do motivo, há algumas evidências de que a depressão, o TDAH e outros problemas comportamentais podem melhorar ou até mesmo diminuir totalmente com a dieta sem glúten - o que pode fornecer algum incentivo extra para que seu filho adolescente siga rigorosamente a dieta.


TDAH é comum em adolescentes 

com doença celíaca


Há uma forte ligação entre a doença celíaca e TDAH - estudos descobriram doença celíaca não diagnosticada em uma alta porcentagem de adolescentes (até 15%) com diagnóstico de TDAH. Para comparação, a doença celíaca é encontrada em cerca de 1% da população geral.

Em adolescentes e adultos, a dieta livre de glúten parece ajudar a melhorar a concentração e outros sintomas do TDAH, incluindo hiperatividade e impulsividade, de acordo com alguns estudos.

Nenhum estudo analisou adolescentes com sensibilidade ao glúten não-celíaca para ver se eles sofrem de mais TDAH, mas alguns relatos de adolescentes e seus pais indicam que uma dieta sem glúten pode ajudar com o TDAH se o adolescente em questão é sensível ao glúten .

Outro estudo analisou a doença celíaca e todos os transtornos do comportamento disruptivo, que incluem TDAH, TOD e transtorno de conduta. Esse estudo descobriu que 28% dos adolescentes com doença celíaca tinham sido diagnosticados com um distúrbio de comportamento disruptivo em algum momento, em comparação com apenas 3% dos adolescentes não-celíacos. 



"Na maioria dos casos, esses distúrbios precederam o diagnóstico da doença celíaca e seu tratamento com uma dieta livre de glúten", disseram os autores, acrescentando que os adolescentes celíacos seguindo a dieta sofriam de problemas atuais com transtorno de comportamento disruptivo na mesma proporção que os não adolescentes celíacos.


Depressão comum entre adolescentes celíacos


Não houve tanta pesquisa envolvendo adolescentes celíacos e depressão como houve sobre glúten e depressão em adultos, mas a pesquisa que foi feita indica que é um problema bastante comum em adolescentes. Para adultos, numerosos estudos mostram uma ligação entre o glúten e a depressão , tanto para adultos celíacos como para aqueles diagnosticados com sensibilidade ao glúten não celíaca.


No estudo que analisou transtornos de comportamento disruptivo em adolescentes celíacos, os pesquisadores também perguntaram sobre a história de transtorno depressivo maior - depressão dos adolescentes e descobriram que 31% dos adolescentes relataram um episódio de depressão maior em algum momento. Apenas 7% dos indivíduos não-celíacos controle relataram uma história de depressão.

Os pais devem procurar os sinais 


de depressão em seus adolescentes




Assim como no transtorno do comportamento disruptivo, a retirada do glúten  da dieta pareceu aliviar os sintomas depressivos e reduzir os níveis de transtorno do grupo controle.

Há evidências de um estudo que adolescentes com doença celíaca não diagnosticada e depressão têm níveis de triptofano e certos hormônios mais baixos que o normal quando comparados àqueles sem depressão, o que pode levar a problemas de humor e sono (o glúten também pode afetar o sono ).

Nesse estudo, os adolescentes tiveram uma diminuição significativa na depressão após três meses com uma dieta sem glúten. Isso coincidiu com a diminuição dos sintomas da doença celíaca dos adolescentes e também com a melhora nos níveis de triptofano.

Outros Transtornos Mentais 


Elevados em Crianças Celíacas




Há evidências médicas de taxas levemente mais altas de condições neurológicas ou psiquiátricas, como epilepsia e transtorno bipolar, em crianças que foram diagnosticadas com doença celíaca - um estudo encontrou tais problemas em 15 de 835 crianças celíacas e identificou novos casos de doença celíaca em sete de 630 crianças com um distúrbio neurológico.

No entanto, assim como o glúten e o transtorno bipolar e o glúten e a epilepsia em adultos, não está claro qual é a conexão entre as condições e muito mais pesquisas são necessárias.


Pode ser difícil seguir uma dieta sem glúten , especialmente quando você é adolescente e seus amigos não têm restrições alimentares. Portanto, é possível que crianças e adolescentes sem glúten sofram mais com alguns distúrbios mentais - especificamente, depressão, ansiedade e sintomas comportamentais - simplesmente por causa das dificuldades sociais envolvidas no acompanhamento da dieta sem glúten.

Em um estudo, crianças e adolescentes com uma dieta estrita sem glúten apresentaram sintomas comportamentais e emocionais mais freqüentes vários anos após o início da dieta. Além disso, crianças e adolescentes naquele estudo pareciam apresentar aumento de depressão e ansiedade, a partir do momento em que ficaram sem glúten.

Não está claro o que os resultados desse estudo significaram, mas os autores especularam que a dieta era a causa. 



"A introdução da dieta livre de glúten resulta em uma mudança radical nos hábitos alimentares e no estilo de vida das crianças com DC, e pode ser difícil de aceitar e estressante", disseram os autores.

Esse estresse contribui para a ansiedade, que surge como depressão em meninas e agressividade, além de irritabilidade em meninos, disseram os autores. Adolescentes freqüentemente têm mais dificuldade em aceitar suas novas restrições alimentares do que as crianças menores, acrescentaram.


Independentemente disso, se você acredita que seu filho adolescente está sofrendo de depressão ou ansiedade, converse com seu médico sobre obter um encaminhamento para um profissional de saúde mental.


****************************************************


20 sinais e sintomas de TDAH em meninas



Nem todas as meninas com TDAH exibirão todos os seguintes sinais e sintomas. Por outro lado, ter um ou dois destes não é sinônimo de diagnóstico de TDAH em si. No entanto, se sua filha parece exibir alguns desses sintomas de forma contínua, uma discussão com um profissional experiente pode ser benéfica.


  1. Dificuldade em manter o foco; se distrai facilmente
  2. Muda o foco de uma atividade para outra
  3. Desorganizada e bagunçada (em sua aparência e espaço físico)
  4. Esquecida
  5. Problemas para concluir tarefas 
  6. Sonha acordada e em um mundo próprio 
  7. Leva tempo para processar informações e orientações; parece que ela não te ouve
  8. Parece estar cometendo erros "descuidados"
  9. Frequentemente atrasada (má administração do tempo) 
  10. Hiperfalante (sempre tem muito a dizer, mas não é boa em ouvir)
  11. Hiperreatividade (respostas emocionais exageradas)
  12. Impulsividade verbal; deixa escapar e interrompe os outros
  13. Parece ficar chateada facilmente 
  14. Altamente sensível ao ruído, tecidos e emoções
  15. Não parece motivada
  16. Não parece estar tentando 
  17. Parece tímida
  18. Isolamento
  19. Chora facilmente 
  20. Muitas vezes pode bater as portas ao fechá-las 




Texto original: